2 de setembro de 2015

Constatação II



A burrice é a razão do desconforto.
A distância é o perdão do desencontro.
O amor é quando surge o olhar atento.
Solidão é o não-sentir do pensamento.

Alegria é o livre arbítrio na rotina.
Ser feliz é ter surpresa em cada esquina.
A esperança é a certeza do incerto.
Amar mesmo é pensar junto e querer perto.

Liberdade é poder ter vento no rosto.
Repelir é se atrair pelo oposto.
Não há verdade que a loucura não cometa.
Cada canto é um mistério do planeta.



25 de julho de 2015

Sombra


Sombra negra do prédio alto
Sombra do poste no asfalto
Sombra sempre de costas pra luz
Sombra que só reproduz
Sombra que fica, imita
Sombra sempre parasita
Sombra que opõe uma claridade
Sombra sempre sem profundidade
Sombra que despreza o sim e o não
Sombra que some na escuridão
Sombra que omite um conteúdo
Sombra que grita de um jeito mudo
Sombra que faz o céu se escurecer
Sombra que tenta me ensombrecer.
Sombra que sempre me encontra no agora
Sombra que me lembra do medo - 
Do medo de minha sombra ir embora.


22 de julho de 2015

Intervalos


Felicidade são os intervalos.
Viver é a sobra da sobrevivência.
Você vive na sua hora de almoço;
na sua meia hora de banho;
nos cinco segundos após acender um cigarro;
nos cinco minutos após desligar a televisão.

O resto é sobrevivência.



23 de abril de 2015

Grua



Na rua, à margem da rodovia
trabalhando sem descanso
ficam homens sem rosto
numa bela construção 
enquanto um louco
fazendo versos
só observa 
de longe
a luta
vil.

Um pedaço dos dois mundos.
Cada um com sua grua.



11 de abril de 2015

Livro-pasto



Livro torto velho livro gasto 
Livro tolo como todo livro falso 
Livro morto um tanto velho livro
Livro curto em pensamento
Livro-pasto 
Livro tal com tanto texto é livro pouco
Livro turvo trava o tempo livre
Livro fraco prende os seres burros
Livro caro porém pobre livro
Livro fraude leigo livro-engano
Livro oco vago livro nulo.

Seja um sábio só.
Mentalmente solitário.
Queime todos os livros.





16 de março de 2015

Inerte



Queria arrebentar a aorta com as mãos
e perfurar o crânio pra aliviar a pressão
ou bombear quatro vezes mais sangue para o cérebro
para enxergar minhas sinapses e os átomos pela casa.

Mas estou imóvel;
universalmente inútil;
preguiçosamente apático;
preso epitelialmente
dentro de tecidos nervosos.

Minha tristeza é saber
que nada transborda de mim
porque tudo está como sempre foi.

E parece que sempre estará.



9 de março de 2015

Homem de escritório II



O homem de escritório se acha sabido.

Investe em ações.
Aluga imóveis.

O homem de escritório tem cortador de grama.

Cobre a piscina.
Tem paisagista.

O homem de escritório adora relógios.

Tem carro do ano.
Jardim de inverno.

O homem de escritório acha que é o centro

de todo o negócio 
mas não sabe que
no fim
não é por ele
que roda a engrenagem.

E passa.

E morre.



22 de dezembro de 2014

26 de novembro de 2014

Homem de escritório



Um mero homem
de escritório
ar de gente
arrogante
ao mar de gente
miserável
ergue a voz
semi-imponente
impotente
e perfura o silêncio
que é tão importante.

Meus ouvidos
que ouvem mesmo
sem querer
sofrem o dano
dos fonemas venenosos
e num relapso sinal
de uma sinapse qualquer
meu encéfalo cinzento
manda a ordem à minha boca
e minhas cordas tão vocais
bocejando mal humoradas
se acordam e se tremem
proferindo três palavras:

"Morra tolo, idiota."



19 de maio de 2014

A festa acabou?



É, José.
Agora aquele verso que você gostava
não te faz sentido mais
e o ar que você respira
te fez trocar suspiro por bocejo
e teu paladar agora fraco
não sente os gostos como antes.

Agora os seus livros tão cansados
de viver naquela estante
e os poemas na poeira
cada dia mais pesados
vão ficando indecifráveis
no seu crânio atrofiado.

Agora teu dinheiro tá guardado
em uma caixa com a carteira de trabalho
em uma pasta com contrato do aluguel
e com um monte de papel
sobre empréstimo bancário.

Sua bicicleta tá guardada
naquele quartinho dos fundos
junto com seu violão
que arrebentou a corda ré
e você nunca mais trocou.

E lá no fundo,
e em tudo isso:
fica o rastro
da sua
vida.