3 de fevereiro de 2013

Sua caneca




Quando você levantava pra fazer café pra gente e eu ficava com a cara enfiada no travesseiro escutando você lavar o rosto.
Foi naquela hora que vi. Tinha acabado de acordar: nasci de novo ali naquele lugar.

E por um pequeno momento - só ali, naquela hora - o mundo se resumiu só àquilo: estava simples.
O ar gelado de manhã; você ali: só naquele momento, vi que não havia problemas nas nossas vidas.
Nem haveria de haver.

Senti essa sensação de ter entendido a coisa toda; pela primeira vez a decifrei e não fui devorado.

Vi uma simplicidade difícil de ver, porque é uma simplicidade que inconscientemente não estamos preparados pra suportar.
Nós até desconfiamos - no meio de nossos dias - que ela possa existir, mas não queremos acreditar porque pensamos "então é isso?", "e agora? Acabou?".
Mal sabemos que o começo é ali. Aquilo é o começo.

Enxergar essa simplicidade é só o primeiro passo.