25 de julho de 2015

Sombra


Sombra negra do prédio alto
Sombra do poste no asfalto
Sombra sempre de costas pra luz
Sombra que só reproduz
Sombra que fica, imita
Sombra sempre parasita
Sombra que opõe uma claridade
Sombra sempre sem profundidade
Sombra que despreza o sim e o não
Sombra que some na escuridão
Sombra que omite um conteúdo
Sombra que grita de um jeito mudo
Sombra que faz o céu se escurecer
Sombra que tenta me ensombrecer.
Sombra que sempre me encontra no agora
Sombra que me lembra do medo - 
Do medo de minha sombra ir embora.


Um comentário:

  1. Com maestria, pôs o outro lado da moeda. Gostei! Espero novo poema por aqui!

    ResponderExcluir